Quem fui, quem sou, quem serei...

De cor verde-esmeralda são os olhos de quem chora, de quem ri, de quem sonha. De quem espera pelo inesperado. De quem sabe que não há impossíveis, mas que acredita na impossibilidade do possível. Na cor verde-esmeralda, habita um presente cinzento e um futuro cintilante. Filha do vento e da brisa, inconstante. Filha da brisa e do vento…

quinta-feira, 19 de junho de 2008

Conta-se as horas que faltam para um suposto sono…
…o nosso adversário de noites e noites.
Lutamos contra ele, não, não venhas, deixa-me continuar neste pântano de sensações de sonhos acordados, em que desejamos tornar reais.
Não, vai sono, não me tomes, deixa-me viver aqui, o que não vivo ali, lá fora…

Mas o sono ganha, ganha sempre é mais forte que a bruma de cheios vazios em que nos deleitamos. E no dia seguinte, com o sol lá no alto pensamos…
…já são horas de dormir?

6 comentários:

Edu disse...

Ainda não. Ainda ha tempo para mais uma viagem...mais um beijo...mais um sonho.

Esmeralda disse...

Mas o tempo nunca está do nosso lado...

Edu disse...

Mas existe sempre o amanha e o depois. para alem das memorias, sempre paradas no tempo a espera que as vasculhemos.
*

clarinha disse...

Axas que vale a pena vasculhar nas memórias passadas?
Axas que vale a pena tirá-las da caixa e voltar a montá-las como peças de lego?

clarinha disse...

Esmeralda, se tens tanto sentimento dentro de ti, ousa montar de novo o lego...

pin gente disse...

como te entendo!

beijo
luísa