Quem fui, quem sou, quem serei...

De cor verde-esmeralda são os olhos de quem chora, de quem ri, de quem sonha. De quem espera pelo inesperado. De quem sabe que não há impossíveis, mas que acredita na impossibilidade do possível. Na cor verde-esmeralda, habita um presente cinzento e um futuro cintilante. Filha do vento e da brisa, inconstante. Filha da brisa e do vento…

sábado, 30 de agosto de 2008




Mal me quer…
…bem me quer…
Mal me quer.

Mal me quer?
Bem me quer?
À porta são-nos deixados ramos de pequenas flores brancas ou amarelas.
Flores inofensivas de aromas campestres, de uma singularidade que as torna quase banais.
Quase…
…não fosse a desfolhada com pretensões adivinhadoras do futuro.
Mal me quer…
…bem me quer…
Mal me quer.
Como se de uma pequena flor branca ou amarela o incerto dependesse.
Existem truques que alteram o final, basta-nos começar pelo bem me quer.
Desfolhada cantada feita por pares de mãozinhas com 6 anos, que muito sorridentes gritam num alarido:
- Ele gosta de mim! Ele Gosta de mim!
Os 6 anos já se foram, há muito…
…e os sorridentes gritos gritados num alarido de risadas, já não têm a mesma dimensão.
A vida já não é feita de mal me queres ou bem me queres, muito menos de coisas simples.
A realidade por vezes dura e cruel.
A vida já não é feita de chupas-chupas e bolinhas de rebuçado que se oferecem no recreio ao menino mais bonito da turma.
A vida já não é feita somente de nódoas negras feitas a jogar à bola, nem de passeios na bicicleta BMX vermelha e branca tendo como companhia a bela boneca Barbie.
Tudo muda, com o passar dos anos. Já não controlamos o futuro com as pequeninas flores que se apanham no canteiro da vizinha.
Mal me quer…
…. bem me quer…
…mal me quer.
Que adianta?
Quando num dia ouvimos risadas recentes de um bebé amado por todos e no dia seguinte a amarga espera de não se saber se o continuaremos a ouvir ou não.
Bem me quer…
…mal me quer…
…bem em quer.

Inverti o mal pelo bem. Terei a sorte que tinha aos 6 anos quando no fim da desfolhada cantada ganhava?
Inverti o mal pelo bem.
Bem me quer…
…mal me quer…
… bem me quer.

Terei eu ao fim de tantos anos a sorte que tinha então?
Conseguirei eu, apenas com uma pequena flor amarela ou branca na mão controlar o incerto, apagando este medo que em mim vive há um mês e trazer o nosso pequeno bebé para junto dos que o amam?
Não!
O poder das flores já não é tão grande, ara-o aos 6 anos. Já não o é!
Mas é a Fé!
Tenho Fé, por mim, e por vocês pais do nosso bebé que sofrem como nunca.
Tenho Fé!
Tenham Fé!
E sorrindo como sorria aos 6 anos quando invertia o mal pelo bem (bem me quer, mal me quer, bem em quer), direi daqui a uns dias:
-Estou bem! E o vosso / nosso bebé também!

12 comentários:

mdsol disse...

Entre o bem me quer e o mal me quer acho que não há meio termo. Ou bem ou mal, não há possibilidade do assim-assim!
:))

Esmeralda disse...

mdosl:

Está completamente enganada! Completamente!

Neste texto, falo de vida, e não de coisas menos importantes como as lágrimas de amor que deito todas as noites.

Falo de vida!

Nesta desfolhada de flores tem que haver um meio termo ou um bem me quer.
Seria injusto demais, acabar a história com um mal me quer.
Muito injusto!

beijocas

r_ogeri_o disse...

:)

poetaeusou . . . disse...

*
levesa da ternura
em suave carinho
num beijo de bem querer,
,
conchinhas amigas
,
*

Chinha disse...

Muito bom.

É um gosto ler-te

bjinhos

impulsos disse...

Bem me quer...
Mal me quer...
Será que me quer?
Será que não...

A vida é um carrossel de sucessivas etapas pelas quais todos vamos passando.
Umas melhores do que outras, mas só assim se dá valor real a tudo o que a vida nos oferece!

Belo escrito.

Beijo

Esmeralda disse...

Impulsos:

Este texto fala de vida.
ok, tudo bem, a vidadiáriamente veste aquele vestido feito de crueldade...
...mas nesta minha desfolhada seria mesmo muito cruel acabar acabar com um mal me quer.

Bigada pla visita.
beijocas

Perla disse...

O que importa mais é o amor que se dá. Pode doer, mas não faz mal... a seu tempo virá a recompensa!

Beijinhos

Esmeralda disse...

Perla obrigada pela visita.

Neste meu pedaço de texto, não falo de amor, falo de vida, a minha, e de um pequeno ser, um pequeno anjinho que luta diáriamente para que esta, a vida, não lhe falhe.

beijocas

Anónimo disse...

Minha querida nem tentes adivinhar quem sou.

Não tenhas medo, daqui a uma semaninha vou ouvir-te dizer que realmente está tudo bem contigo, e daqui a um mês ouviremos que o "nosso" Bê está bem, com saude para dar e vender.

Sorrí para ti.

Reticências disse...

Vim deixar-te um beijo.

: )

Esmeralda disse...

Obrigada Reticências!
:)