Quem fui, quem sou, quem serei...

De cor verde-esmeralda são os olhos de quem chora, de quem ri, de quem sonha. De quem espera pelo inesperado. De quem sabe que não há impossíveis, mas que acredita na impossibilidade do possível. Na cor verde-esmeralda, habita um presente cinzento e um futuro cintilante. Filha do vento e da brisa, inconstante. Filha da brisa e do vento…

segunda-feira, 13 de outubro de 2008

Ofereci um dia um belo presente, uma grande parte de mim…
…embrulhado em papel estampado de sorrisos, olhares, segredos e sentimentos.
Este era o papel de embrulho, quase igual ao próprio presente.
Lá dentro, dentro do papel de embrulho estampado de sorrisos, olhares, segredos e sentimentos, estava uma bela caixa com paredes de espelho e forrada a algodão doce, dela saia uma belíssima melodia de encantar, aquela que até então esteve guardada em mim esperando que um dia fosse ouvida pela alma reflectida nas paredes de espelho que a tão bem guardavam.
E as paredes reflectiram, um ser metade de mim…
A melodia o encantou enquanto a sua imagem ficou para sempre guardada nas paredes da caixa magica, aquela que lá dentro continha a minha alma.
A melodia o encantou…
Os sorrisos, os sentimentos, os olhares, as conversas e os segredos, esses, todos esses que são a minha vida, não foram suficientes para despertar aquele que nos espelhos revestidos a algodão doce ainda continua reflectido.
E num dia, debaixo de um sol de Janeiro, ofereci este presente, na esperança que a minha caixa se tornasse completa, e durante muitos dias quase ficou…
…mas não foi suficiente este meu presente.
Nunca mais reatei esta minha caixa docinha espelhada, ofereci-a, e mesmo sabendo que dentro da caixa existe o mais puro que há em mim e que fora dela continua a silhueta de uma alma metade da minha reflectida sem nunca se juntarem, continuo no limbo da esperança de que um dia o reflexo se una à melodia.

3 comentários:

As Sombras de Fim do Dia disse...

tens um pequeno miminho lá no meu tempo....

poetaeusou . . . disse...

*
num só perfil
se transmutará,
porque . . .
luar de janeiro
meu amor primeiro . . .
,
conchinhas nocturnas,
,
*

Edu disse...

Presente deixado numa base branca. Onde apenas a solidao te faz sombra...
Um bjinho amiga